O que fazer em Florença em 2 dias: roteiro, como chegar, onde ficar e mais

Por Josiane Bravo
8 comentários

O que fazer em Florença? Berço do Renascentismo, Firenze (em Italiano), faz jus de estar na lista das cidades mais belas da Itália.

Recheada de história, museus incríveis e belíssimas igrejas, a bela capital da Toscana respira arte por todos os lados e não tem como colocar defeito, é simplesmente encantadora para dizer que é possível ver tudo o que essa cidade histórica e poética tem a oferecer em apenas dois dias.

Os principais pontos turísticos a gente consegue conhecer em um roteiro a pé de dois dias, mas não é justo dizer que conheceu bem Florença em tão pouco tempo. Afinal, cada esquina reserva uma descoberta que até mesmo alguns locais ainda não sabem.

E com tanta coisa interessante para ver de pertinho na sua visita a Firenze, prepare-se para um post longo. Vou tentar passar todas as dicas para você montar seu roteiro. Ou caso não curta itinerários, conhecê-la sem rumo também é muito prazeroso.

A intenção aqui é guia-lo(a) para ver a riqueza histórica da cidade que já foi lar doce lar de gênios como Michelangelo e Leonardo da Vinci.

Sobre Florença

Excêntrica, romântica, histórica, isso resume a essência de Florença, que tem nada mais nada menos que mais de 2000 mil anos de história. É tão antiga que foi fundada pelos romanos no século I a.C (é muita coisa, então não vou entrar em muitos detalhes neste post).

Firenze, como é conhecida pelos italianos, foi por muitos anos governada pela riquíssima família Médici, a mais rica da cidade. A nobre família de banqueiros ficou no poder entre 1434 até meados do século 18.

Como os Médicis eram amantes das artes, Florença acabou tendo várias influências da dinastia da família tanto na arquitetura como na história da cidade. A Galeria Uffizi e o Palácio Pitti são exemplos disso, sem contar que a família (da era de Lorenzo o Magnífico) tinha como queridinho Michelangelo, por isso o artista ficou ainda mais popular entre os pintores da época do Renascimento.

Além de te sido lar de vários artistas, Florença também é a cidade natal do poeta Dante Alighieri, criador da obra da literatura universal “Divina Comédia”. Sendo assim, ao passar por suas ruas estreitas, lembre-se que no passado este foi o caminho destes mestres. Portanto, perder-se pelas ruas históricas da cidade faz parte da experiência.

Como chegar em Florença

Se estiver viajando do Brasil para a Itália, provavelmente vai chegar em Florença de trem, ônibus ou de carro.

O aeroporto de Florença recebe voos saindo das principais cidades da Europa e Itália. E como não há voos diretos saindo do Brasil, para chegar na cidade de avião será necessário fazer escala (conexão) em alguma cidade europeia.

Avião:

  •  o aeroporto de Florença fica em torno de 4km da cidade, não muito longe. O nome é Amerigo Vespucci, também conhecido como Firenze Peretola (FLR);
  • para ir do aeroporto para o centro as principais opções são táxis, ônibus (shuttle) e para a alegria do turista, em 2019 foi inaugurado o tram (espécie de metrô);
  • se optar pelo shuttle, chamados de “Voi in Bus“, o trajeto do aeroporto até o centro de Florença leva em torno de 30 minutinhos;
  • o ônibus deixa os passageiros na parte de trás da principal estação de trem de Florença, a Firenze Santa Maria Novella;
  • como a estação fica no centro, de lá, se estiver hospedado na região central, é possível ir a pé até o seu hotel-hostel. Caso contrário, será necessário pegar outro transporte até seu destino final.

Trem:

  • para quem vem de outras cidades da Itália como Veneza, Roma ou Milão, um dos principais meios é através de trem. A empresa Trenitalia é um das principais e a mais conhecida. São os trens da companhia ferroviária que conectam a maioria das cidades italianas;
  • Florença possui três estações de trem, a principal é a Firenze Santa Maria Novella, que fica bem no coração da cidade, pertinho dos principais pontos turísticos.

Duomo vista de longe – foto divulgação (Pixabay)

Como se locomover na cidade

Para se locomover em Florença, como tem um centro plano e pequeno, não há necessidade de usar transporte público. É possível fazer tudo a pé tranquilamente. Só tem a Praça Michelangelo que fica no alto, mas para quem tem disposição, também pode ir a pé.

Mas lembre-se, para curtir a cidade sem desconforto nos pés, a dica é usar um calçado confortável.

O que fazer em Florença - Rio Arno
Rio Arno visto da Ponte Vecchio

Ingressos para comprar com antecedência  

Florença é uma das cidades mais turísticas da Itália, especialmente durante o verão europeu (julho e agosto) e em feriados prolongados. Sendo assim, vale ter em mente que as principais atrações são bem disputadas dependendo da época do ano.

A dica para não perder horas e horas do seu passeio em filas enormes é adquirir os ingressos com antecedência. Portanto, melhor se planejar do que correr o risco de não conseguir o ingresso no dia.

Depois de ler o post por completo, veja quais passeios pagos tem interesse em conhecer. Uma vez com a data já definida da viagem, entre no site dos museus (ou outras atrações) para comprar o ingresso, seja com hora agendada ou não. Dessa forma economiza algumas horinhas do seu roteiro no dia da visita e já garante o ingresso.

Só vale ressaltar que alguns lugares cobra-se uma taxa a mais para reservar com antecedência (nada absurdo).

Dentre os lugares mais disputados em Florença destacam-se os dois museus mais famosos da cidade, a Galeria degli Uffizi e a Galeria da Accademia.

Diquinha: comprando seus ingressos pela Get Your Guide, que é parceiro do blog, você me ajuda com uma pequena contribuição. O bacana é que o site está em português, oba. E além de ingressos para as principais atrações turísticas, a empresa também oferece uma variedade de passeios e tours como:

 

Quantos dias ficar em Florença?

Dois dias é muito pouco para conhecer a cidade, o ideal mesmo seria 3 ou 4 dias para conhecer Firenze com calma. Mas claro, tudo vai depender do seu ritmo e o que tem interesse em conhecer.

Para quem curte igrejas e museus, acrescente mais dias ainda, até mesmo uma semana. Afinal, sou da opinião que visitar vários museus em apenas 1 dia não é legal. Acho que o nosso cérebro precisa de um descanso para assimilar tanta informação.

Mas como a ideia aqui é de apenas 2 dias cheios, sem contar o dia de chegada e partida, digo que é sim possível conhecer as principais atrações.

Como os dias são bem mais curtos no inverno, caso esteja viajando durante o verão, a experiência é outra. O pôr do sol é bem mais tarde, portanto, os dias serão mais longos. Mas em contrapartida, a cidade estará lotada já que é temporada de férias na Europa.

Já contratou seu seguro viagem?

O seguro viagem é obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado Schengen, incluindo a Itália. Para contratar o melhor seguro, eu uso e recomendo a Seguros Promo, site que compara os preços e coberturas das principais seguradoras do mundo. Clique aqui e faça sua cotação online. Encontre os melhores preços e pague em até 12 vezes no cartão de crédito. E os leitores do blog ganham 5% de desconto usando o código TURISTANASNUVENS

 

O que fazer em Florença em 2 dias – sugestão de roteiro

O roteiro sugerido é baseado na viagem que fiz em 2018, em pleno inverno e bem no feriado de 1 de Janeiro. Como era Ano Novo, no primeiro dia na cidade muitos lugares estavam fechados. Também não tive tanta sorte com o tempo, peguei um dia muito chuvoso como vão ver em algumas fotos.

E antes de falar sobre os passeios, veja este resumão do roteiro.

Dia 1:

  • Piazza della Repubblica (Praça da República)
  • Mercado Novo
  • Piazza de La Signoria (Praça da Senhoria)
  • Galeria degli Uffizi (Galeria dos Ofícios)
  • Ponte Vecchio (Ponte Velha)
  • Palazzo Pitti e Jardins Bobolli (extra: só se sobrar tempo)

Dia 2:

  • Galleria dell’Accademia (Galeria da Academia)
  • Mercado Central
  • Basílica de San Lorenzo
  • Igreja de Santa Maria Novella
  • Duomo de Florença
  • Basílica de Santa Croce
  • Pôr do sol na Praça Michelangelo

Dia 1

Piazza della Repubblica

Comece o dia na praça mais famosa e agitada de Florença, a Praça da República, que fica no coração da cidade, pertinho de várias outras atrações como o Duomo.

A Praça da República é um charme só, rica em história, onde no passado funcionava o antigo Fórum Romano, ou seja, já foi palco de vários acontecimentos históricos.

É na Praça da República onde encontra-se um dos cafés mais antigos de Florença, o famoso Caffè Gilli, um bar histórico que funciona desde 1733, também tem o Caffe Paszkows.

O que fazer em Florença - Praça da República
Arco da Praça da República

Além do clima agradável, a Praça da República conta com um Carrossel que fica ainda mais charmoso durante à noite e um lindo Arco Triunfal. Então anota a dica, tá aí um lugar para visitar tanto durante o dia como à noite, pois fica linda com a iluminação das luzes.

Mercado Novo ou do Porcellino

Saindo da Praça da República, caso tenha interesse neste tipo de passeio, bem pertinho se encontra um mercado bem popular que funciona deste o século XVI. O mercado é conhecido como Mercado Nuevo ou do Porcellino, pois tem como grande atração uma estátua de bronze com a figura de um porquinho, que na verdade é um javali.

A Fontana del Porcellino, essa atração turística pra lá de inusitada atrai os mais supersticiosos. Pois diz a lenda que se você esfregar a mão no nariz do javali voltará a Florença. Acho que funcionou para mim, porque já tenho planos de voltar hehe.

Você também vai ver pessoas esfregando moedas no focinho do javali. A diferença é que depois a moedinha é colocada na boca do animal e, se ela cair no ralo, seu desejo será realizado. Em resumo, o porquinho da sorte de Florença. Não custa nada dá um esfregão né?

Não é fofinho o famoso javali do Mercado Novo? Foto divulgação (Pixabay)

Piazza de La Signoria

E apenas uma caminhada curta e você chegará na praça mais importante de Florença, a Piazza de la Signoria, onde fica a sede do poder político da cidade há séculos. Portanto, um verdadeiro museu a céu aberto que conta com edifícios históricos, várias estátuas e atrações como:

Palácio Vecchio:

É no Palácio Vecchio onde fica a sede da prefeitura, edifício com a torre mais alta de Florença (Torre di Arnolfo), construído em 1322.

O que fazer em Florença - Palácio Vecchio
Piazza de la Signoria e ao fundo o Palácio Vecchio, que tem a torre mais alta de Florença

Além de funcionar como museu em algumas salas, o Palácio Vecchio tem como atração duas estátuas que ficam na entrada, uma é a famosa estátua de Michelangelo, que é apenas uma réplica. A original fica na Galeria da Academia.

O que fazer em Florença - estátua Leonardo da Vinci
A famosa estátua (réplica) de Michelangelo na frente do Palácio Vecchio

A outra estátua que chama atenção é a de Hércules e Caco.

Mais informações de horários de visita e ingressos no site oficial do museu do Palácio Vecchio.

Fonte de Netuno:

Trata-se de uma fonte enorme e rica em detalhes e história, mas que na data da minha visita estava em reforma 🙁

A fonte que atrai os olhares dos turistas foi construída por Bartolomeo Ammannati por volta de 1560 e 1565, e tem como destaque a estátua de Netuno, que representa o domínio marítimo de Florença.

Loggi dei Lanzi:

E em frente ao Palácio Vecchio encontra-se um edifício aberto que funciona como uma espécie de museu ao ar livre. A área é composta por mais de 20 esculturas, dentre as quais a que mais me impressionou foi a de Perseu segurando a cabeça da Medusa, obra de Benvenuto Cellini.

Um leão fotogênico e ao fundo a escultura de Perseu segurando a cabeça da Medusa – foto divulgação (Pixabay)

E antes de ir para a próxima atração, que fica logo atrás da Loggi dei Lanzi, não deixe de prestar atenção no Corredor Vasariano, que foi criado como uma espécie de rota secreta. O corredor, que funciona como uma ponte fechada, conecta o Paláccio Vecchio com a Galeria Uffizi e termina no Palácio Pitti.

O que fazer em Florença - corredor vasariano
Tá vendo aquela ponte? É o Corredor Vasariano que liga o Palácio Vecchio a Galeria Uffizi

Galeria Uffizi

Coladinho com o Palácio Vecchio fica um dos mais importantes museus do mundo, a Galeria Uffizi, conhecida em português como Galeria dos Ofícios.

O museu, que é o mais antigo da Itália, é gigantesco. Ele é composto por mais de 50 salas das quais abrigam as principais obras renascentistas. Das obras que você vai ver, apenas uma pitadinha dos principais artistas: vai ter Leonardo da Vinci, Michelangleo, Botticelli, Tiziano e muito mais.

Caso tenha interesse, lembre-se que a Galeria Uffizi é uma das atrações mais disputadas de Florença. Sendo assim, dependendo da época da viagem pode correr o risco de não achar ingressos no dia. Por isso a dica é adquirir os bilhetes de entrada com antecedência

O que fazer em Florença - Galeria Uffizi

Não vou entrar em mais detalhes sobre o museu porque fiz um post só sobre ele. Aqui você vai encontrar mais informações sobre a história, obras e artistas mais importantes, além de dicas para visitar e comprar os ingressos.

Em suma, a Galeria Uffizi foi um dos museus mais impressionantes que já visitei. O classifico como aqueles passeios imperdíveis até mesmo para quem não curte arte e não entende muito do assunto.

Importante: a Galeria Uffizi não abre nas segundas-feiras. Para mais informações sobre horários e bilhetes de entrada, entre no site oficial.

O que fazer em Florença - Galeria Uffizi
O Nascimento de Vênus de Boticelli

Ponte Vecchio

E saindo da Galeria Uffizi, que fica de frente com o Rio Arno, vire à direita em direção a um dos cartões postais de Florença, a linda Ponte Vecchio, que conecta a cidade de Norte à Sul.

Chamada de Ponte Velha, trata-se da ponte de pedra mais antiga da Europa. Mas o que vemos hoje é sua última versão que foi construída lá no século 14. Antes dessa data, a ponte já existia, mas tinha outro aspecto já que havia passado por algumas reconstruções.

O que fazer em Florença - Ponte Vecchio

Para você ter uma ideia da sua importância histórica, durante a Segunda Guerra Mundial, todas as pontes de Florença foram destruídas pelos nazistas. Mas adivinhem só, apenas a Ponte Vecchio se manteve em pé. Não sabe-se o motivo concreto, talvez Hitler tinha um certo carinho por ela.

Nos dias de hoje, a Ponte Vecchio é ocupada por lojinhas por ambos os lados, sendo a maioria joalherias. No passado eram os açougueiros que ocupavam o espaço. Mas por conta das reclamações de mau cheiro e o lixo que era largado depois do expediente, o Duque Fernando I proibiu a venda de carnes.

Para ter uma experiência completa, não deixe de atravessar a Ponte Vecchio e reparar nos seus detalhes, em especial nas janelinhas que ficam no topo da ponte, onde fica o Corredor Vasariano.

Ponte Vecchio vista de outro ângulo, de dentro da Galeria Uffizi. Conseguem identificar o Corredor Vasariano?

Depois de um dia longo recheado de atrações, provavelmente já estará cansado neste momento e tudo vai depender da sua disposição para ir até o próximo passeio.

Palazzo Pitti e Jardins Bobolli

Atravessando a Ponte Vecchio, se continuar pela mesma rua, em poucos passos chegará na frente do Palácio Pitti, que fica no charmoso bairro Oltrarno.

O Palácio Pitti começou a ser construído em meados de 1440 para ser o lar doce lar do riquíssimo Luca Pitti. Na época, a residência era considerada uma das mais belas de Florença. Afinal, essa foi a intenção de Luca, desafiar a família Médici, pois ambas as famílias eram rivais. E por ironia do destino, anos depois adivinhem quem a comprou?

Os danadinhos dos Médicis eram tão influentes que compraram o palácio para ser residência oficial dos Grandes Duques da Toscana. Em seguida a enorme construção começou a passar por grandes transformações. Foi ampliado e ganhou novos ambientes, até se tornar no maior palácio da cidade. Só para ilustrar, ainda ganhou uma passagem secreta.

Lembram-se do Corredor Vasariano que já mencionei? Então, continuando a história, o corredor elevado foi construído como uma maneira da família ter mais privacidade para circular com segurança da sua residência até o Palácio Vecchio. Espertinhos né?

Nos dias de hoje, o Palácio Pitti abriga vários museus como a Galeria Palatina, o Museu da Porcelana, Museu do Traje, a Galeria de Arte Moderna e o Museu da Prata. Também conta com os Jardins de Boboli, que é a maior área verde de Florença e um dos parques mais visitados.

O que fazer em Florença - Palácio Pitti
Palácio Pitti – a fachada não impressiona tanto, mas dizem que por dentro é lindíssimo

E já que o tempo foi curto, eu só consegui visitar a fachada do Palácio Pitti.

Como visitar os museus do Palácio Pitti?

Se sobrar tempo e tenha interesse em conhecer o Palácio Pitti, é possível visitar todo o complexo de museus e os jardins adquirindo um bilhete combinado que pode ser adquirido no dia na bilheteria do lugar. No entanto, isso só é viável caso tenha tempo disponível, pois para conhecer tudo é necessário reservar metade de um dia. Caso contrário, você pode adquirir os ingressos separados para visitar apenas uma atração.

Site oficial: www.uffizi.it/palazzo-pitti

Ponte Santa Trinita

O que fazer em Florença - Ponte Santa Maria Trinita
Ponte Santa Trinita

Achei uma graça essas duas estátuas na entrada da Ponte Santa Trinita

Para finalizar o dia com chave de ouro, volte para o centro para vê-lo durante à noite todo iluminado, mas antes disso, anota essa dica: volte por outro caminho, pela Ponte Santa Trinita, que vai te proporcionar uma das vistas mais bonitas da Ponte Vecchio de frente. Se consegui ir no horário do pôr do sol, será mais que privilegiado(a).

O que fazer em Florença - Ponte Vecchio
Ponte Vecchio vista da Ponte Santa Trinita

Dia 2

O segundo dia você tem duas opções para iniciar, começando pela igreja mais linda de Florença, o Duomo, ou iniciando o passeio no museu que abriga uma verdadeira joia rara, a escultura de Michelangelo. Ambos os locais ficam bem pertinhos, o que vai fazer a diferença é se quiser ver o Duomo sem aquela multidão de gente, recomendo começar o passeio na Piazza Duomo.

Se não tiver interesse em conhecer todas as igrejas que vou citar, aproveite para fazer outros passeios como compras, visitar os lugares que mais gostou no primeiro dia ou até mesmo conferir outros museus.

Basílica de Santa Maria del Fiore

Provavelmente você já deve ter avistado a cúpula do Duomo de Florença de longe no seu primeiro dia, ou até mesmo passado por ela. Essa belezura arquitetônica faz jus de ser o maior cartão postal da cidade, pode ser avistada por quase todos os lugares de longe e impressiona quando vista de pertinho.

Também conhecida como a Catedral de Santa Maria del Fiore, essa igreja de arquitetura gótica entrou para a lista das mais belas que já vi. Sua beleza é tão espetacular que é difícil transmitir todos os seus detalhes em fotos.

Construída com paredes de mármore, a fachada do Duomo é toda composta por mosaicos coloridos nas cores: verde, rosa e branco. A combinação caiu muito bem e ainda conta com portas gigantes e recheadas de detalhes.

Recomendo que faça um tour ao redor da catedral para ver a imensidão e riqueza dos detalhes dessa construção que levou 140 anos para ser finalizada. E sua cúpula que embeleza Florença, é obra de Filippo Brunelleschi.

Acho que o Duomo fica ainda mais linda vista entre as ruelas (chamadas de via em italiano). Uma pena que o dia estava tão chuvoso

E se quiser ir mais além, para entrar no interior da igreja a visita é totalmente gratuita. Eu não cheguei a entrar, mas ouvi de outras pessoas que o interior não é tão espetacular quanto a parte externa.

Que tal ver Florença do alto?

E para os mais animados que não se importam de enfrentar alguns degraus, mais de 400 para ser exata, ainda pode subir até o topo da cúpula. Mas essa atração é paga e é um dos passeios mais procurados pelos turistas. Caso opte pelo passeio, lembre-se que no verão a visita é ainda mais concorrida. Para evitar as filas gigantes, a dica é adquirir os ingressos com antecedência.

O bacana de subir na cúpula é que além de contemplar o interior da igreja, ainda vai ter uma vista panorâmica de 360° de Florença e arredores do alto. Como o tempo estava chuvoso, acabei não subindo, mas recomendo demais porque sei que a vista não vai decepcionar.

Olha só os detalhes dessa porta linda do Duomo de Florença

Campanário de Giotto

Na Piazza Duomo também se encontra o Campanário de Giotto (Campanille di Giotto), que é a torre do sino da Catedral de Florença. Essa é uma torre enorme de mais de 80 metros de altura. Também é outra boa pedida para quem curte mirantes. É possível subir até o alto do campanário e ver a cúpula do Duomo de pertinho.

Bastistério de São João

Outra atração que fica em frente à Catedral é o Batistério de São João (Battistero di San Giovanni), um prédio religioso em formato octogonal que é considerado o mais antigo de Florença.

O Bastistério de São João é famoso pelas suas 3 enormes portas de bronze que são decoradas com representações. A mais conhecida é a Porta do Paraíso, que representa o Novo Testamento e ganhou este nome por Michelangelo. Para vocês terem uma ideia da sua importância histórica, Dante Alighieri foi batizado lá.

Ingressos para visitar o complexo de Santa Maria del Fiore

Já percebeu que é possível passar a manhã inteira na Piazza Duomo. Se quiser conhecer todo o complexo, tem o ingresso único que inclui a entrada no Duomo, nas criptas da catedral, Batistério, Campanário de Giotto e o Museu da Ópera do Duomo. O valor é de 18 euros. Confira no site oficial os horários de entrada e demais informações para planejar sua visita.

E se quiser se aprofundar ainda mais na história do Duomo, outra opção é fazer um tour guiado (em inglês).

Galeria da Accademia

Agora é hora de ver Davi de pertinho (caso tenha interesse), uma das esculturas mais famosas do mundo e a grande atração do museu, a estátua de Michelangelo. Caso não seja lá fã do artista, pule este passeio para focar em outras atrações. 

Importante: o museu em si não é muito grande e algo como 1 hora já é possível conhecê-lo, mas como o dia já é corrido, recomendo adquirir o ingresso com antecedência para economizar mais tempo nas filas das bilheterias.

Site oficial: www.accademia.org

Davi fazendo pose na Galeria da Academia – foto divulgação (Pixabay)

Mercado Central

Pertinho da Galeria da Academia encontra-se o Mercado Central de Florença, boa pedida para quem já está com fome e procura algo barato para comer.

O mercado é histórico e funciona desde 1874. É composto de dois andares, sendo o primeiro uma espécie de feirinha, e no segundo andar funciona o Mercado Central, onde vai encontrar ótimas opções gastronômicas da culinária fiorentina.

Importante: o mercado fecha aos domingos e em feriados.

Basílica de San Lorenzo

E coladinho com o Mercado Central fica a maior e uma das primeiras igrejas cristãs de Florença, a Basílica de San Lorenzo. A igreja é uma das que tem a arquitetura mais diferente, pois as demais têm fachadas de mármore, essa aqui a fachada é de pedra.

Rica em história, a Basílica de San Lorenzo era no passado a igreja particular dos Médicis (lembram-se da família poderosa que governava a cidade?). Por isso, hoje os restos mortais da família encontram-se dentro da igreja.

A igreja também conta com obras de Donatello, inclusive o mesmo também se encontra enterrado dentro da basílica já que este era o pintor predileto da família Médici.

Basílica de Santa Maria Novella

Próxima à estação de trem de Florença fica uma das minhas igrejas prediletas em Florença (o Duomo vem em primeiro) e a principal Igreja Dominicana da cidade, a Basílica de Santa Maria Novella, que fica na praça de mesmo nome.

Além da arquitetura belíssima ornamentada com paredes de mosaicos assim como as demais igrejas em Florença, também curtir bastante a pracinha que fica de frente. Eu não cheguei a conhecer seu interior, mas para quem quiser fazer este passeio é necessário desembolsar 7,5 euros pelo ingresso de entrada.

Dentro da Basílica de Santa Maria Novella encontra-se obras de Masaccio e Giotto, além de obras de arte de outros artistas importantes. Saiba mais sobre a visita e horários de funcionamento no site oficial da igreja.

Basílica de Santa Croce

Tem mais igreja neste roteiro? Tem sim senhor 🙂

E já que o destino final do dia é na Praça Michelangelo, acho que não custa nada passar na frente de outra igreja linda que não tive a oportunidade de conhecer. Recomendo porque fica no caminho, então se sobrar tempo, não deixe de conferir a Basílica de Santa Croce, que fica situada na praça de mesmo nome. O melhor, se possível conheça seu interior ou volte em outro dia caso fique mais tempo na cidade.

A Basílica de Santa Croce é a principal igreja franciscana de Florença e nela descansam nada mais nada menos que várias celebridades históricas como Michelangelo, Maquiavel e Galileo. E não para por aí, a igreja conta com mais de 200 túmulos. Tem até um túmulo em memória ao talentoso Dante Alighieri. Quer mais? Ainda tem uma obra de grande importância, a “Última Ceia” de Giorgio Vasari.

Para planejar sua visita, veja mais informações como horário de funcionamento no site oficial da Basílica de Santa Croce.

Basílica de Santa Croce – foto divulgação (Pixabay)

Praça Michelangelo

Para deixar sua passagem por Florença ainda mais memorável, não deixe de conferir o pôr do sol no alto da Praça Michelangelo. Trata-se de uma praça que fica no alto de uma colina que proporciona uma das vistas mais lindas da cidade. Dignas de cartão postal.

Para chegar até a Praça Michelangelo é necessário fazer uma caminhada de em torno 20 minutos à partir da Basílica Santa Croce. É só atravessar o Rio Arno pela Ponte Grazie e depois seguir as placas. O trajeto é tranquilo, mas no final envolve uma pequena subida de escadas que para algumas pessoas pode ser cansativa. Se não estiver a fim, também pode ir de transporte público (ônibus) ou pegar um táxi.

Para quem optou pelo passeio, chegando no alto da praça, será contemplado com uma vista panorâmica de tirar o fôlego. Para mais informações, neste post aqui contei mais sobre como é a visita à Praça Michelangelo

E para que sua experiência seja ainda mais inesquecível, passe em um mercado para comprar comes e bebes, vinho combina muito bem. Quer passeio mais romântico que isso?

Importante: fique atento ao horário do pôr do sol para chegar antes do espetáculo.

E se ainda estiver com disposição depois de um dia recheado de andanças, você também pode voltar ao centro para jantar, comer mais gelato, etc.

E teve gelato mesmo em um dia de inverno

Tem mais dias em Florença? Olha estes outros lugares

Casa de Dante

E que tal visitar a casa onde o poeta e criador de uma das obras mais importantes da Literatura Universal (a Divina Comédia) viveu. Lembram-se que Dante nasceu em Florença?

A Casa de Dante hoje virou um museu que tem o propósito histórico e educacional. Para quem gosta de literatura e é fã do poeta, fica a dica. 

Outro museu que vale a pena conferir é o Museu Nacional do Bargello.

Onde comer em Florença

Gosta de café, gelatos e doces? Então anota essa dica. 

A Don Nino Café é uma gelateria e pastelaria que fica de frente com o Duomo. Lugar mais delicinha e charmoso (um pouco caro, mas vale a pena) que achei por uma acaso ao tentar fugir da chuva e do frio tenso de inverno. A descoberta valeu muito a pena.

Além de muito aconchegante, o Don Nino Café conta com uma vitrine linda recheada de doces que é difícil escolher. Eu optei por um croissant (brioche) com recheio de pistachio e acertei na escolha. Que delícia. O mais gostoso de todos que já experimentei na vida. Para acompanhar, hmm, cappuccino.

Aliás, o primo gêmeo do croissant na Itália é conhecido como brioche.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Don Nino (@don_nino_italia) em

Entre os doces mais requisitados pelos clientes, o cannoli recheado com creme de pistachio é o campeão.

Além disso, a Don Nino conta com uma grande variedade de gelatos. Em suma, comer bem e ainda ao lado de uma das igrejas mais belas do mundo não tem preço. Aliás, os preços são salgados, mas vale a pena o investimento.

Atenção:

Lembre-se: é preciso desembolsar um eurinhos a mais para sentar em uma mesa, algo como 2 ou 3 euros dependendo do lugar.

Preço de balcão é mais em conta, então se quiser economizar, tomar um drink em pé vai sair mais barato. Caso opte por uma mesa, o preço pode ser o dobro para +.

Na Don Nino por exemplo, para tomar o café no balcão o valor é de 1,50 euros, mas se quiser pegar uma mesa, segura essa, 4 euros. Um absurdo a diferença não é, mas isso é bem comum nas cidades da Itália, inclusive só fui saber disso em Veneza.

O nome dessa taxa chama-se “coperto”, um valor que é cobrado em vários estabelecimentos como cafeterias e restaurantes na Itália. A diferença é que tem lugares que cobram uma taxa acima do normal, algo como 1 ou 2 euros ok, mas 3 euros está acima da média. Então atente-se aos valores para não serem pegos de surpresa.

E onde comer gelato em Florença?

Uma vez na Itália, o que não vai faltar na nossa barriguinha é muito gelato, especialmente se estiver viajante durante o verão. Como fui em pleno inverno, o frio estava cruel para encarar algo frio, mas mesmo assim não resisti. A vontade é de sair experimentando tudo. Hmm, deu até água na boca só de relembrar nos gelatos de Florença.

As minhas escolhas foi a Gelateria Santa Trinita, e na lata, provado e atestado. Também experimentei o gelato da famosa Amorino, uma gelateria que tem lojas em várias cidades famosas da Itália e na Europa, é aquela que oferece o sorvete em formato de flor. Apesar de mais caro, vale muito a pena. Deliciosos.

Onde ficar em Florença – dicas de hospedagem

Se é a primeira vez em Florença, recomendo se hospedar no centro ou arredores, onde fica os principais pontos turísticos como os museus, igrejas, restaurantes e bares. Dessa forma é possível fazer tudo a pé sem a necessidade de percorrer longas distâncias. Além disso, vai economizar tempo para chegar mais cedo nos lugares. E tem a vantagem de aproveitar mais a noite no centrinho da cidade.

Para quem vai chegar de trem (a maioria chega assim), outra boa opção é ficar perto da principal estação de trem, que fica no bairro de Santa Maria Novella.

Eu costumo fazer minhas reservas pelo Booking.com. É por este site que fiz a seleção de hotéis e hostels que vou indicar aqui. Todos os selecionados são baseados em fatores que acho importantíssimos na hora de fazer a reserva como: localização, avaliações dos hóspedes e café da manhã (sempre leio as referências). 

Portanto, todos os hotéis tem avaliação superior a 8.0, que é considerado Muito Bom pelos hóspedes.

Albergues:

Plus Florence

Foi neste albergue onde me hospedei e só tenho elogios ao lugar (ameii). Além da ótima localização, perto do centro e apenas 15 minutos a pé da Estação de Santa Maria Novella, está entre um dos hostels mais baratos da cidade. Fica a dica para os mais econômicos.

O Plus Florence também conta com uma decoração bem jovial e moderninha. Possui várias áreas para os hóspedes relaxarem como um terraço com vista para a cidade, bar e restaurante, sauna e até piscina. Como fui no inverno não rolou um tibum, mas para quem vai no verão é uma boa pedida.

Para mim o Plus Florence tem uma pegada mais de hotel, pois o lugar é enorme e possui vários quartos individuais. Eu fiquei em um quarto para casal bem aconchegante com banheiro, que por sinal, muito limpo.

Importante: o café da manhã é estilo buffet e não está incluso no valor da diária.

Veja mais informações sobre o Plus Florence aqui

Hostel Archi Rossi

O Hostel Archi Rossi fica coladinho com Estação Santa Maria Novella e próximo das principais atrações turísticas do centro de Florença.

O albergue conta com uma decoração que é um charme. Tem como destaque um jardim que dispõem de cadeiras para os hóspedes relaxarem depois de um longo dia, e um terraço. E assim como o anterior, também tem quartos individuais para casais, além de quartos compartilhados.

Para destacar, pelas avaliações, os hóspedes elogiam bastante o café da manhã que é incluso no valor da diária.

Veja mais informações sobre o Hostel Archi Rossi aqui

Hotéis:

Hotel Renaissance

O pequenino e charmoso hotel boutique fica no coração de Florença, em um edifício antigo ao lado do Palácio Vecchio. Tem como destaque quartos aconchegantes e segundo os hóspedes, a decoração é um charme.

Veja mais informações sobre o Hotel Renaissance aqui

Hotel Spadai

Para quem procura bom conforto, o hotel é uma boa escolha. Conta com uma localização pra lá de privilegiada, ao do Palácio Médici, no centro de Florença. Situado em um belo prédio histórico, disponibiliza de quartos charmosos e aconchegantes, além de boa infraestrutura.

Veja mais informações sobre o Hotel Spadai aqui

The St. Regis Florence

Procura um hotel mais glamoroso? Este aqui é um dos mais luxuosos.

Além dos quartos hiper mega confortáveis e com decoração que parece que saiu de um cenário de um filme, o hotel fica de frente com o Rio Arno. Localização perfeita.

O St. Regis fica situado em um belíssimo palácio histórico que foi projetado adivinhem por quem? Pelo mesmo arquiteto renascentista responsável pela criação da cúpula do Duomo, por Brunelleschi. Em resumo, um dos hotéis 5 estrelas mais luxuosos de Florença.

Anota a dica: a rainha do pop (Madonna) já se hospedou no The St. Regis Florence e o hotel aparece no vídeo da música “Turn up the radio”.

Veja mais informações sobre o The St. REgis Florence aqui

Outras informações

  • muitos museus em Florença não abrem de segunda-feira, como a Galeria Uffizi e Galeria da Academia;
  • não assuste ao ver que é necessário pagar para entrar em algumas igrejas em Florença ou em outras regiões da Itália, é comum.

Faltou alguma dica? Se já conhece Florença e tem alguma sugestão de passeio interessante que não mencionei no post, dá um alô nos comentários.

Para salvar no seu Pinterest ⇓


***Confira outros posts da Itália***


***Receba mais dicas de viagem***

Leia também

8 comentários

ferscafi 2 de outubro de 2019 - 00:17

Esse post é um super guia hein? Acredita q já fui pra Itália, fiquei 20 dias e não conheci Florença? hehehe Preferi focar bem no norte do país e deixar Florença e Roma pra conhecer outra vez com calma, só que ainda nao rolou rs

Reply
Josiane Bravo 10 de novembro de 2019 - 12:03

Oi Fer 🙂 Você fez o certo, também sou da opinião que prefere focar apenas em um lugar e não gosto de fazer tudo na correria e depois ter aquela sensação de não ter vivenciado por completo o lugar. Nessa viagem eu já optei em não conhecer Roma rs. Quero ficar pelo menos uns 4 dias na cidade quando chegar a vez de conhecê-la 🙂
Abraços

Reply
carolvamosporai 2 de outubro de 2019 - 09:33

Que roteiro super completo arrasou! Florença é uma cidade maravilhosa, fiquei apenas um dia por lá e não consegui conhecer tudo, mas pretendo voltar e seu post já está salvo.

Reply
Josiane Bravo 10 de novembro de 2019 - 12:04

Muito obrigada Carol 🙂

Reply
itamarjapa 3 de outubro de 2019 - 15:31

Cidade realmente linda! Linda demais!!! O post está maravilhoso! Um verdadeiro guia! Parabéns!

Reply
Diego Cabraitz Arena 7 de outubro de 2019 - 14:08

Minha cidade preferida na Itália. Acho que moraria facil por ali, uma cidade que respira e vive arte e arquitetura, comida boa. Deu saudades de lá lendo seu texto
Boas dicas

Reply
Josiane Bravo 10 de novembro de 2019 - 12:05

Muito obrigada Diego 🙂 Hehe, eu também moraria fácil em Florença, só conheci 3 cidades na Itália, mas essa aqui também é minha predileta.
Abraços

Reply
Edson Jr 8 de outubro de 2019 - 07:24

Adoramos nossa viagem para Florença na Toscana, realmente muita coisa para se fazer. Precisamos repetir!

Reply

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: