O melhor de Milão em 1 dia: roteiro, dicas de passeios, onde ficar e muito mais

O que fazer em Milão em 1 dia? Localizada ao norte da Itália, essa cidade cosmopolita e rica em história e cultura é recheada de belos museus e igrejas preservadas. Confira aqui neste post dicas de passeios para fazer na capital da moda em um ou dois dias, dicas de hospedagem e muito mais.

Sobre Milão

A capital da região da Lombardia é a maior cidade industrial da Itália e a mais populosa do país. Conhecida mundialmente como a “capital da moda”, a queridinha dos fashionistas ainda conta com outros atrativos como museus com obras-primas de Leonardo da Vinci e Michelangelo, igrejas preservadas,  restaurantes e bares badalados, e lá se encontra uma das catedrais góticas mais belas do mundo, a Catedral de Milão.

Pela sua fama de capital da moda e design, Milão atrai turistas do mundo todo que vão a cidade para ir às compras ou para participar de eventos de moda. E para destacar, Milano é a sede das principais marcas italianas como Gucci, Armani, Dolce & Gabbana e Versace.

Com tanta fama e dinheiro, Milão é considerada uma das cidades mais influentes e poderosas do mundo.

Loja Zara em Milão

Como chegar a Milão

Milão é o ponto de ligação para as principais cidades da Itália. Ela conecta as cidades do norte e sul do país e serve como ponto de partida ou chegada.

Avião:

  • Milão possui três aeroportos: Milano-Malpensa, Milano-Linate e o Aeroporto Internacional de Orio al Serio;
  • o principal aeroporto de Milão é o Aeroporto de Malpensa, de onde chega boa parte dos voos internacionais. Ele fica na cidade de Varese e é considerado o segundo aeroporto mais importante da Itália;
  • a opção mais econômica para chegar ao centro de Milão a partir do Aeroporto de Malpensa é com o trem MALPENSA EXPRESS, que parte do terminal 1 e 2 e tem três destinos: a Estação Cadorna, Estação Porta Garibaldi e a Estação Central (Milano Centrale). Essas três estações possuem conexões para linhas de metrôs;
  • o percurso até a estação Cadorna leva em torno de uns 30 minutinhos. E do Aeroporto Malpensa até a Estação Central de Milão o trajeto já é mais longo, em média uns 50 minutos;
  • o valor do bilhete custa €13 (só ida). Ou se preferir, pode comprar o bilhete de retorno pelo valor de €20 (ida e volta);
  • é possível comprar os bilhetes de trem com antecedência pelos sites da Trenitalia e Trenord (ou nas bilheterias dessas duas companhias). E também tem as máquinas automáticas;
  • outra opção ainda mais econômica para sair do Aeroporto Malpensa é de ônibus (o Malpensa Shuttle) que partem do Terminal 1. O valor é de €10, (só ida) ou €16 (ida e volta). Você pode comprar os bilhetes por este site ou nos guichês que ficam ao lado do ponto de ônibus;
  • vale ressaltar que essas duas opções (trem e ônibus) são viáveis para quem está viajando com poucas malas. Se estiver com mais de 3 pessoas e com malas grandes, talvez a melhor opção seja ir de táxi ou contratar um transfer privado.

Já contratou seu seguro viagem?

O seguro viagem é obrigatório nos países da Europa que fazem parte do Tratado Schengen, incluindo a Itália. Ressaltando que muitas vezes a imigração no aeroporto pode exigir a apólice do seguro no país de destino. E caso não tenha o documento, você corre o risco de ter a entrada negada no país.

Clique aqui e faça uma cotação online na Seguros Promo. Site que compara os preços e coberturas das principais seguradoras do mundo (recomendo). Encontre os melhores preços e pague em até 12 vezes no cartão de crédito. E os leitores do blog ganham 5% de desconto usando o código TURISTANASNUVENS

Trem:

  • viajar de trem pela Itália é uma das opções mais econômicas para explorar o país. E sem contar que é um meio de transporte bem barato se comparado com os demais países da Europa;
  • e para aqueles que chegarem de trem, os trens chegam e saem da Estação Central (Milano Centrale), uma das estações mais belas que já conheci e inclusive é considerada uma das mais lindas da Itália. Ah, e já fica a dica de um lugar para colocar no seu roteiro, vale a pena dedicar um tempinho para conhecer a estação que é enorme e esbanja uma arquitetura de tirar o fôlego. É de lá que partem os trens para destinos famosos da Itália como Veneza, Roma e Florença;
  • da Estação Central é possível pegar um ônibus ou metrô (linhas 2 e 3) para chegar até seu destino final (hotel).
Estação Central de Milão

Como funciona o transporte público em Milão

Milão é bem servida pelo transporte público. Tem ônibus, bondinhos e metrôs. Os bondes são os mais requisitados e é um meio bem bacana de transporte para o turista conhecer a cidade de um ângulo diferente.

  • Metrôs: são três linhas que servem Milão – a M1 (vermelha), a M2 (verde) e a linha M3 (amarela).
  • Se você quiser ter uma experiência diferente, mesmo que não precise usar o transporte público, a dica é fazer um passeio de bonde, o de número 1 passa por vários pontos turísticos da cidade.
  • Já jantou dentro de um bonde? Um passeio bem diferentão para fazer é se aventurar dentro de um dos bondinhos de Milão que tem nada mais nada menos que um restaurante. O bonde-restaurante é ainda um passeio desconhecido e eu só fiquei sabendo dele através de uma amiga que morou em Milão. Se você ficou interessado e quiser mais informações sobre o bonde ATMosfera, confira os valores e as condições de reserva aqui (site da ATM).
  • Entre no site da ATM para verificar rotas e tarifas dos bondes, metrôs e ônibus de Milão (o site pode ser acessado em italiano ou inglês).

O que fazer em Milão em 1 dia

Muitas vezes ignorada pelos turistas que só vão a Milão porque a cidade é base para fazer uma conexão ou ponto de chegada na Itália, o problema dessa fama é que tem gente que pensa que a capital da moda não tem muitos atrativos e que um dia é mais que suficiente para conhecê-la.

Tem tanto lugar lindo para ver em Milão e tanta coisa legal para fazer que é até sacanagem menosprezar uma cidade tão rica em cultura e arte.

É possível conhecer os principais pontos turísticos de Milão em um dia, sim, de fato até dá, mas adianto que fica corrido (tive essa experiência e confesso que se pudesse teria ficado mais tempo). Se tiver mais tempo disponível, o ideal é de reservar pelo menos uns 3 dias para conhecer a cidade da moda com calma.

Para facilitar, confira este mapinha com as atrações de Milão. É só clicar nos ícones para ver o endereço. Como vocês vão ver pelo mapa, a maioria dos pontos turísticos ficam bem próximos. Portanto, se for ficar hospedado no centro ou nas proximidades, nem vai ser preciso usar o transporte público, é possível fazer tudo a pé. Maravilha 🙂

1. Praça Duomo e Catedral de Milão

A belíssima Catedral de Milão, também conhecida como Duomo, é o ponto central para começar seu roteiro em Milão.

Localizada no centro da principal praça da cidade, a Piazza del Duomo, além da Catedral de Milão, a praça também abriga outros pontos turísticos famosos como  a Galeria Vittorio Emanuele e o Palácio Real. Além disso, conta com cafés, restaurantes e a estação de metrô mais movimentada e importante de Milão.

Interessante: Duomo significa catedral. Em resumo, a igreja mais importante da cidade, onde hospeda o bispo e arcebispo.

Com sua arquitetura de tirar o fôlego e considerada uma das maiores catedrais do mundo, além do seu tamanho gigantesco que chama a atenção de longe, não é a toa que a Catedral de Milão está entre uma das igrejas góticas mais belas desse mundão. Sua beleza é tão impressionante que não é possível transmitir todos os detalhes da sua arquitetura em apenas uma fofo, o interessante é vê-la de pertinho.

Construída com mais de 8.000 blocos de mármore branco só na sua fachada, o Duomo de Milão ainda conta com uma história rica em detalhes e curiosidades interessantes como:

  • ela começou a ser construída em 1386, e segura essa, de trás para frente;
  • a catedral é composta por 135 torres de forma pontiaguda (conhecidas como agulhas). Cada ponta conta com uma estátua. No total, contando as demais estátuas da parte externa e interna, são mais de 3.400 estátuas;
  • a estátua mais famosa é a de São Bartolomeu, que fica no interior da igreja;
  • a catedral levou mais de 400 anos para ser finalizada.

Como visitar a Catedral de Milão

Para entrar na catedral é necessário adquirir um ingresso na bilheteria local. Veja aqui os valores dos bilhetes para adultos (menores de 6 anos não pagam a entrada):

  • Catedral e Museu: 3€
  • Área arqueológica: 7€
  • Terraço: subindo de escada (9€), de elevador (13€)

Admirar a parte externa de Milão é sem dúvida uma das atrações gratuitas mais incríveis de Milão, mas com um pouco de investimento você pode ver de pertinho as estátuas e todos os detalhes da construção lá no telhado da catedral.

Com uma vista privilegiada de Milão vista do alto, no terraço você será contemplado com uma vista espetacular da Praça Duomo e da Galeria Vittorio Emanuele, além de outros pontos turísticos e prédios arranha-céus da cidade.

Evite filas, adquira aqui seu ingresso e visite a Catedral de Milão, o museu e o terraço

Horário de funcionamento da Catedral de Milão: diariamente das 9:00 às 19:00 horas.
Mais informações no site oficial.

2. Galeria Vittorio Emanuele

Localizada entre a Praça Duomo e a Praça Scala, uma passagem onde ficam várias lojas famosas como Louis Vuiton e Prata, restaurantes e bares elegantes, fica a segunda atração mais fotografada de Milão que é puro glamour e um colírio para os olhos no quesito “arquitetura de tirar o fôlego”. É a Galeria Vittorio Emanuele.

A Galeria Vittorio Emanuele foi construída em formato de cruz, sendo que no centro a formação é de um cruzamento bastante interessante e fotogênico, um octógono. Tamanha engenhosidade foi obra da imaginação do arquiteto Giuseppe Mengoni, que teve uma morte trágica ao cair de um andaime pouco antes da inauguração da galeria em 1877.

Além dos vitrais maravilhosos e as pinturas que compõem a beleza do teto da galeria, os detalhes para prestar atenção quando visitar a Galeria Vittorio Emanuele são os mosaicos do piso que representam os brasões de quatro cidades na Itália (Florença, Roma, Milão e Turim), e o arco lindo que fica logo na entrada. Não é a toa que está classificada entre uma das galerias mais belas da Europa.

Curiosidade: o nome da galeria foi escolhido em homenagem ao primeiro rei da Itália, Vittorio Emanuele II di Savoia.

3. Praça Scala e Teatro Scala

Atravessando a Galeria Vittorio Emanuele fica a segunda praça mais importante de Milão, a Praça Scala, que abriga outros pontos turísticos interessantes de conhecer como o Teatro Alla Scala e o Palácio Marino.

E bem no meio da Praça Scala, o grande destaque é a estátua de Leonardo da Vinci.

Estátua de Leonardo da Vinci

Apesar de ter uma fachada simples que passa despercebida, outro destaque da Praça Scala é o Teatro Scala, que tem um interior deslumbrante para ninguém colocar defeito. E vocês sabiam que ele é o maior teatro lírico do mundo e uma das casas de óperas mais famosas?

O Teatro Scala já foi palco para apresentações de grandes artistas como Toscanini, Verdi, entre outros.

Eu não conheci o interior do teatro, mas se você gosta e entende de ópera ou se tem interesse em ver alguma apresentação, vale salientar que para ver um espetáculo o planejamento tem que ser antecipado já que os ingressos se esgotam rápido. Mas não fiquem tristes, também é possível visitar o museu do teatro, que fica aberto para visitação e tours guiados.

Leia também Teatro Colón em Buenos Aires – o teatro lírico mais importante da América Latina

Para informações dos horários dos espetáculos e valores, confira o site oficial do Teatro Scala.

O Teatro Scala é esse edifício do lado direito

4. Quadrilátero da Moda

E já que estamos falando da cidade da moda da Itália, mesmo que você seja como eu (pessoa humilde que viaja com o dinheiro contadinho e até dorme no aeroporto para economizar com hospedagem), bom, já viu que ir às compras não é para qualquer um. No entanto, acho válido uma passadinha só para ver as vitrines luxuosas onde uma roupinha simples custa quase o valor de uma casa (ou mais). É legal ver sem gastar né 😉

Anota aí os nomes das ruas mais famosas que são conhecidas internacionalmente como o “quadrilátero da moda”, onde se concentram as lojas de grifes mais chiques e caras do mundo: Via Montenapoleone, Via della Spiga, Corso di Porta Venezia e Via Manzoni. Essas são as quatro ruas que formam um quadrilátero.

5. Pinacoteca de Brera

Para os apreciadores de arte e arquitetura, vale a pena incluir a Pinacoteca de Brera no seu roteiro, uma galeria nacional de arte antiga e moderna que fica localizada no antigo Palácio de Brera, um prédio bonito que foi construído para os jesuítas sobre o monastério de Santa Maria di Breara Humiliat.

Além da Pinacoteca, o edifício também abriga outras instituições como a Biblioteca Braidense, a Academia de Belas Artes e o Jardim Botânico.

A Pinacoteca de Brera é considerada um dos museus mais importantes da Itália. O museu abriga obras de artistas famosos como Caravaggio, Bellini, Mantegna, entre outros. Entre as principais obras do acervo destacam-se a Ceia em Emaus de Caravaggio e o Casamento da Virgem de Rafaello.

E se você é fã de lugares gratuitos, a boa notícia é que a parte interior do pátio da Pinacoteca tem acesso gratuito. Bem no centro do pátio tem uma estátua bem grande de Napoleão Bonaparte, estátua que contradiz com a altura do antigo rei que não era tão alto.

  • Horário de funcionamento: de terça a domingo das 8:30 às 19:15 – as sextas até as 21:15 – fechado as segundas
  • Ingressos: 10 euros para ingressos normais
  • Entrada gratuita todo primeiro domingo do mês
  • Site: pinacotecabrera.org/en/

6. Castelo Sforzesco

Para finalizar a tarde a dica é seguir até o Castelo Sforzesco, um dos monumentos mais importantes de Milão que foi construído no século XV por Francesco Sforza sobre as ruínas de uma antiga fortificação do século XIV.

No passado o Castelo Sforzesco já passou por várias transformações, sendo que no início funcionou como fortaleza e mais tarde foi lar da corte de Milão. Além disso, ele já passou pelas mãos de vários proprietários e durante a Segunda Guerra Mundial teve algumas partes do castelo destruídas por um bombardeio.

Hoje o Castelo Sforzesco abriga vários museus e conta com um acervo bem rico, abrigando obras-primas de alguns gênios como Leonardo da Vinci, Bramante e Michelangelo.

E se você quiser conhecer os museus paga-se o valor de 5 euros por um ingresso único, baratinho. E caso não seja fã deste tipo de passeio, vale a pena ir conferir o pátio do castelo que tem entrada gratuita.

Caso se interesse em conhecer os museus, talvez fique corrido para fazer este passeio com apenas um dia em Milão. Como são vários museus, é necessário reservar pelo menos metade de um dia para conhecê-los com calma. Então a dica é se programar e ver os que mais te interessam. Destacando que o principal deles é o Pietà Rondanini, que abriga a obra-prima de Michelangelo.

  • Horário de funcionamento:
    Castelo – todos os dias das 7h às 19h30
    Museus – de terça a domingo das 9h às 17h30
  • Site oficial: www.milanocastello.it/en
Castelo Sforzesco – foto crédito – Pixabay

7. Parque Sempione

E se sobrar tempo, não deixe de dá uma passadinha no Parque Sempione, o principal de Milão. O parque fica logo atrás do Castelo Sforzesco.

O Parque Sempione conta com uma grande área verde e abriga vários atrativos como lagos e belos jardins. E bem no seu fundo fica uma obra arquitetônica, um belo arco que já serviu como porta de entrada de Milão durante o domínio de Napoleão, é o Arco da Paz (Arco della Pace).

E se for em um dia de sol e tiver mais tempo para aproveitar Milão com calma, o parque é uma boa pedida para passar umas horinhas relaxantes. Você pode fazer um piquenique ou se for mais ativo, é um ótimo local para fazer caminhadas, correr ou pedalar.

O que fazer em Milão se tiver mais dias livres

Eu sou a favor de viajar com mais tranquilidade e se possível, gosto de ficar pelo menos uns 3 dias nas grandes cidades. No entanto, nem sempre o nosso tempo livre permite isso e muitas vezes o roteiro fica apertado. Se você for ficar pelo menos uns 2 dias em Milão, fica a dica de outros lugares incríveis para visitar:

Igreja Santa Maria delle Grazia

Já viram o filme “O Código da Vinci”? Para os amantes de arte e história, é parada obrigatória incluir no seu roteiro a Igreja Santa Maria delle Grazia, local onde abriga uma das obras mais valiosas do mundo e patrimônio mundial da Unesco, a pintura da Última Ceia de Leonardo da Vinci.

A Última Ceia é uma parede que foi pintada por Leonardo da Vinci na parede do antigo refeitório do convento da Igreja Santa Maria delle Grazia. A pintura retrata os últimos momentos de Jesus Cristo com seus 12 apóstolos.

Tratando-se de uma pintura tão importante, para conseguir ver essa obra-prima a concorrência é grande. Como o espaço onde fica a obra é pequeno e não consegue comportar um grande número de pessoas, as vendas dos ingressos se esgotam rapidinho e portanto é necessário adquirir o bilhete com bastante antecedência, com no mínimo uns 2 meses.

Pintura da Última Ceia de Leonardo da Vinci – foto crédito – Pixabay

E como fazer as reservas dos bilhetes para ver a Última Ceia? Fique de olho no site oficial  Viva Ticket. Caso ache a data desejada e ingressos disponíveis, a dica é não vacilar e comprar o bilhete no mesmo dia (lembrando que eles se esgotam rápido). Obs: o site só está disponível em inglês ou italiano.

E se não consegui comprar os bilhetes pelo site oficial, outra opção é comprar o ingresso com o Get Your Guide, um site de vendas de ingressos para atrações turísticas e tours em vários lugares do mundo. Eles oferecem uma excursão guiada  para Última Ceia. O valor é um pouco mais caro, mas se for a última opção, acho válido comprar por lá. A vantagem é que você evita filas. Para mais informações, saiba mais sobre este tour aqui.

Confira outros passeios turísticos e excursões em Milão

Navigli

Navigli é o bairro mais milanês de Milão. O bairro está recheado de ótimos restaurantes, bares, casas noturnas e pizzarias, por isso é uma ótima opção de passeio para curtir a noitada. Além disso, ele tem como destaque ser cortado por vários canais.

Onde ficar em Milão – dicas de hospedagem

Como a maioria das atrações turísticas ficam na região central de Milão, a melhor opção é ficar nas proximidades dos principais pontos turísticos como a Catedral de Milão. Além do Centro Histórico (onde fica as principais atrações), os bairros Brera e Porta Garibaldi são boas opções.

E se optar em ficar perto da Estação Central e quiser economizar com estadia, tem a região de Milano Centrale. É vantagem porque os hotéis e hostels são mais baratos que os do centro.

Importante: vale ressaltar que na hora de escolher o hotel é bom frisar que as vezes o barato pode sair caro. Já passei por uma experiência assim em Atlantic City, quando escolhi um hotel mais afastado e no fim acabei pagando caro pelo transporte. Como Milão é uma cidade grande, se optar em se hospedar nas regiões mais afastadas do centro, tenha em mente que vai gastar mais tempo para se locomover e por isso é bom analisar se a economia vai valer a pena.

Confira algumas dicas de hospedagens com ótimas referências dos hóspedes, com avaliação acima de 7,0 (considerado BOM pelo booking.com).

Albergues:

  • Babila Hostel: foi neste albergue onde fiquei em Milão, super recomendo. O hostel fica pertinho da Catedral de Milão, em torno de 10 minutos. Além da ótima localização, ele conta com boa infraestrutura e quartos limpos. E tenho que elogiar o café da manhã que é bem farto (incluído no valor da diária), com direito a croissants com recheio de pistachio (uma delícia), iogurtes, frutas e até uma máquina com várias opções de café (expresso, cappuccino, café com leite, etc). Com um café tão completinho, você nem vai precisar de almoço.
  • Ostello Bello Grande: este albergue fica ao lado da Estação Central de Milão e os hóspedes o classificam como “fantástico” (nota de 9,2 pelo booking.com). O hostel conta com uma decoração bem despojada e colorida, oferecendo aos hóspedes um rooftop no último andar. O terraço é uma boa pedida para os dias de sol. E o café da manhã é outro ponto positivo que é bem elogiado (incluído no valor da diária).

Hotéis:

  • Ibis Milano Centro: hotel com ótimo custo benefício que fica perto da Estação Central. No entanto, apesar de não estar localizado no centro, é possível ir a pé até os principais pontos turísticos se tiver disposição para caminhar, ou se preferir, ir de metrô.
  • Bulgari Hotel Milano: se você não se importa de economizar e quer mais conforto e luxo, este hotel super refinado no estilo boutique é uma boa opção. Localizado em uma das ruas comerciais mais importantes de Milão, a Via Montenapoleone, o Bulgari Hotel Milano tem como ponto de destaque quartos com vistas para o jardim do hotel e para o Jardim Botânico.

O que comer em Milão

Hora bolas, claro que uma vez na Itália o que não vai faltar na nossa barriguinha é muita pizza margherita, macarrão e sorvete gelato. Brincadeira a parte, além das comidas clássicas que já estamos acostumados a encontrar no Brasil e outras partes do mundo, que tal experimentar um prato da culinária local?

E uma vez em Milão, a dica é ir de “milanesa”, o “risoto à milanesa” é um dos pratos mais requisitados pelos turistas. Ele é composto de arroz com açafrão e pode ser servido com outra delícia da culinária milanesa como o Ossobuco.

E que tal um bolinho frito de risoto? O nome dessa gostosura que não tive a oportunidade de experimentar é Arancini. Eu amo os bolinhos fritos de arroz que minha mãe faz no Brasil, então imagino que o negócio deve ser bom.

Além do risoto, tem outros pratos à milanesa como o Cotoletta alla milanese (bifão para quem curte carne, eu não experimentei porque não como carne vermelha).

E vocês sabiam que o famoso PANETONE que faz a alegria do natal brasileiro é uma sobremesa que se originou em Milão?

Informações úteis

  • a moeda usada na Itália é o euro;
  • brasileiros não precisam de visto para ficar na Itália até 3 meses. No entanto, o passaporte tem que ter validade mínima de 6 meses;
  • Milão é uma cidade relativamente segura na parte mais central e turística. Mas vale ressaltar que furtos acontecem e por isso a dica é ficar de olho nos seus pertences e evitar caminhar sozinha durante à noite em lugares mais isolados.

Se você não se cansou de ler todas as dicas e chegou até o final deste post, parabéns, pois imagino que o interesse em conhecer a cidade é realmente grande 🙂 Qualquer dúvida ou sugestão de passeio, dá um alô nos comentários.

Abraços


***Confira outros posts da Itália***


***Receba mais dicas de viagens***


Gostou do post? Se sim, aproveita para ajudar essa turista que tanta ama viajar a manter o blog e continuar dando dicas de viagens e muito mais. É bem simples. Para reservar qualquer hotel com vários destinos ao redor do mundo, a dica é o Booking.com. Ao fazer sua reserva por um dos banners do blog ou por este link abaixo, você não gasta nenhum centavinho a mais por isso e ainda me ajuda com uma pequena comissão. Abraços e até a próxima. Josiane Bravo.



Booking.com


Digite seu e-mail e receba gratuitamente nossas novidades

6 Replies to “O melhor de Milão em 1 dia: roteiro, dicas de passeios, onde ficar e muito mais”

  1. Menina, quanta coisa! Não tinha ideia de que tinha esse tanto de coisa pra ver em Milão. Fiquei com vontade de ir. Obrigada pelas dicas 😉

  2. Adorei! Estou planejando ir a esta região da Itália e uma das dúvidas era exatamente quantos dias para Milão. Essas dicas vão ajudar no planejamento.

  3. Cristina Ferreira Rocha says: Responder

    Milão é mesmo uma cidade inspiradora, chique e agradável! Achei o post super completo e objetivo. Dicas boas e que vão ajudar bastante outros viajantes. Parabéns pela matéria.

  4. É tanta cidade legal para visitar na Itália que fica até difícil definir um roteiro! Milão, com certeza, está na ordem de prioridades numa próxima visita ao país da bota!

  5. Cidade linda, realmente merece mais atenção. Tanta coisa bonita! Um dia é até pouco! Adorei o post!

  6. Adorei Milão na minha segunda vez lá. Na primeira fiz a maior parte desses passeios que você comentou mas a cidade não me encantou. Na segunda fui para Navigli e amei!!! Não deixem de ir!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: